Morretes

História

Morretes – um resumo da sua história

31 DE OUTUBRO DE 1733. No raiar desse dia, o sol tingindo de ouro a copa do arvoredo gigante e secular, estendia áureo lençol sobre as campinas e montes de terra virgem. Os pássaros em bandos, formando harmoniosas orquestras aladas, entoavam hinos de louvor à mãe natureza, e o rio que serpenteia murmuro, por entre as cachoeiras, refletia em suas águas o maravilhoso quadro formado pelo belo ambiente.
“... em terras do rendeiro João de Almeida, numa área de trezentas braças quadradas onde, o Rio Cubatão, (hoje Nhundiaquara), descreve graciosa curva, em nome “Del Rey” e sob a invocação de Deus, fundou-se oficialmente o Povoado de Porto dos Morretes. Presentes o Juiz Ordinário José Morato, o Vereador mais velho, Manoel Moreira Barbosa, o segundo mais velho, Antonio José de Mendonça, o Procurador do Conselho, Miguel Alves e o Escrivão do Público e Tabelião, Antonio José Garcia, eleito pelos seus companheiros o Alcaide (o chefe), por se achar doente o Alcaide Estevão Ferreira, e mais Gaspar Gonsalves de Moraes, Escrivão da Câmara, sendo bom lembrar que todas as autoridades presentes eram membros da Câmara de Paranaguá. Após o término da medição, feita por Francisco de Araújo, o Tabelião Antonio José Garcia, após colher as devidas assinaturas no Auto de Medição, disse as seguintes palavras “posse, posse, posse Real, tomam posse os Oficiais da Câmara (de Paranaguá) por ordem de Sua Majestade, que Deus guarde, há quem se oponha, ou há quem tenha embargo a ela?” E dizendo isto, pegou um punhado de terra e o jogou para o ar. Neste instante, nascia a nossa Morretes. (No local citado está até hoje a pedra que marca o início e o fim da medição, chamada de Marco Zero).
Morretes é importante pelas suas deslumbrantes belezas naturais, pela sua marcante cultura e pela sua história grandiosa. Neste folder vamos conhecer um pouco das personalidades que nossa cidade deu ao Paraná e ao Brasil.

Tenham certeza, Morretes registra na história do Paraná uma página brilhante!

Pesquisa realizada pelo historiador: Éric Joubert Hunzicker – E-mail: eric.hunzicker@hotmail.com

Éric Joubert Hunzicker é nascido em Fernandes Pinheiro-Paraná, mas, morretense de coração e por decreto, pois é Cidadão Honorário de Morretes.

  • Rua da Bela Vista - Ao fundo o Telégrao e Igreja N. S. do Porto
  • Antiga Estação Ferroviária de Morretes
  • Largo da Matriz e ao fundo Ruas Visconde do Rio e Rua do Comercio hoje General Carneiro
  • Rio Nhundiaquara ao fundo Igreja N. S. do Porto e Casa do Contrato que depois morou Rocha Pombo
  • Rua da Bela Vista - Ao fundo o Telégrao e Igreja N. S. do Porto
  • Rua XV de Novembro - Vista da Rua José Moraes
  • Rua XV de Novembro e a fundo Largo Lamenha Lins
  • Cermônia Cívica no Largo da Parada hoje Colégio Miguel Scheleder
  • Rua da Bela Vista - Ao fundo o Telégrao e Igreja N. S. do Porto
  • 1972 - Recebimento dos restos mortais de Silveira Neto